terça-feira, 5 de janeiro de 2016

A Harley Davidson Japonesa - Rikuo




Em 1929 a economia americana entrou em crise e levou junto grande parte do resto do mundo, a Harley Davidson  pela primeira vez viu a sua produção cair para 10% da média considerada normal e sentiu-se a beira da falência . Os pedidos para exportações sumiram e o desemprego rondava a porta de sua fábrica e de seus fornecedores em Milwaukee. 


Neste mesmo período o Japão estava formando seu parque industrial  e em 1932  a negociação de transferência de tecnologia entre a Harley Davidson e o governo do Japão estava concluído, período em que o representante Harley Davidson  para Japão e e China convenceu a fábrica a vender os direitos de fabricação de um de seus produtos  para uma empresa japonesa chamada Sankyo Seiyako Corporation que concordou em investir na produção de motos de grande cilindrada para o mercado japonês. 

  
Foi definido um modelo já desatualizado com o motor HD RL1930 em um quadro mais moderno, a Harley Davidson  não vendeu apenas os direitos, ela transferiu o ferramental, projetos e enviou técnicos para transferir a experiência que os japoneses ainda não tinham na área industrial em resumo vendeu seu parque indústrial antigo.  


A moto foi batizada Rikuo que significa "Rainha  da Estrada", esse contrato tinha prazo previsto de 30 anos, mas  com a chegada da Segunda Grande Guerra  isso acabou causando problemas na negociação, foram construídas aproximadamente 18.000 motos do Tipo Rikuo Modelo  97 que  eram motos do tipo VL com um 2 cilindros  em forma de V, motor de 1200 cc. para o exercito e logo após o  final da guerra  milhares de Motos Harley Davidson  japonesas foram vendidas ao  governo japonês para que fossem  utilizadas  em linhas  suprimentos, comunicações e vigilância.  





















No final dos anos 50 chegaram a ser construídas até 2.000 motos por ano e os motores que originalmente eram de 750cc passaram 1000cc posteriormente e  1200cc. 


Em 1936 quando a Harley Davidson Americana  lançou o modelo  EL 61 OHV Knucklehead  o contrato não foi renovado pelos japoneses que não aceitaram as condições  exigidas pela Harley e  que se viram limitados à produção dos modelos desatualizados  de Harleys. 

 
Os americanos insistiram para a venda dos direitos da Knucklehead mas o governo japonês já engajado no ciclo da Segunda Grande Guerra expulsou o representante da Harley Davidson e continuou com sua produção dos antigos modelos e  até se aventurou a produção de modelos mais modernos sem a devida licença. 
   

 Posteriormente essa fábrica no Japão foi vendida para outra empresa denominada SHOWA gigante da fabricação de peças que hoje em dia é fornecedora de peças para a Harley Davidson Americana. 





Postar um comentário