sábado, 12 de setembro de 2015

Adu Celso e o mistério da Cruz


Adu Celso, (Eduardo Celso Santos), ou "Índio" como era mais conhecido devido ao corte de cabelo, começou  muito jóvem, aos 16 anos já era visto nas pistas correndo com uma cinquentinha. Aprendeu fazendo, mexendo e preparando os próprios motores e set-ups em varias motos de origem  europeias. 
Adu foi o primeiro brasileiro  a vencer no Mundial de Motovelocidade,  20 anos antes de Alexandre Barros. Adu Celso morreu de infarto aos 59 anos, em 2005 no ínterior de São Paulo.
Um piloto de personalidade fechada, que no Brasil recebia críticas dos concorrentes que diziam  que por ser rico e ter melhor equipamento sempre vencia, costumava correr de preto e usava pintada no capacete uma  Cruz estilizada nunca explicada para a imprensa, que alguns diziam ser a Cruz de Lorena, um símbolo adotado pelo Cruzado Godofredo de Bouillon, duque de Lorena, em 1099, quando tomou posse de Jerusalém, sempre houve discussões sobre esse assunto e até hoje pode-se encontrar alguns motociclistas saudosistas usando capacetes com o mesmo desenho. 
Partiu para a Europa aos 24 anos, em 1970, para viver na Holanda onde estava instalada a sede Europa da Yamaha e teve que correr pela federação daquele país, porque a Confederação Brasileira não era filiada à Federação Internacional de Motociclismo, fechou um contrato com o preparador Ferry Swaep, holandês especializado nas Yamaha de pista. 
Adu  em 1972 disputou o Mundial de 250cc e no ano seguinte 1973 nas 350cc pontuou em quase todas as corridas que participou, fazendo 3 pódios e neste mesmo ano como ponto alto de sua carreira ganhou o GP da Espanha em Jarama com sua Yamaha TZ350 semi-oficial.
Apesar das expectativas para a temporada de 1974, Adu sofreu um acidente de automóvel na Europa e teve que se afastar das pistas por um longo período.
Após o acidente na Europa retorna para o Brasil e é convidado pela Honda que naquela época estava lançando a CG125 e precisava de publicidade e vitórias nas pistas, Adu correu a Taça Centauro e conseguiu resultados positivos sobre as Yamaha TZ e venceu ao campeonato mais famoso do Brasil para a Honda.
Ainda competiu com carros, incluindo a Fórmula VW 1600, após deixar sua carreira no motociclismo.

Um ótimo piloto de personalidade forte que o Brasil desconhece. 




Postar um comentário