terça-feira, 19 de maio de 2015

Motos- Manutenção e abandono






Muitas vezes observamos nas ruas motocicletas  de pequena cilindrada (50 a 250cc) completamente negligenciadas em sua condição de uso e segurança, elas fogem completamente de sua condição original não recebendo nenhuma manutenção ou substituição de peças.
A pequena moto na maioria das vezes é um instrumento de trabalho e seu proprietário não consegue  arrecadar ou destinar uma parte da renda gerada em favor de sua segurança. Quando o problema se acumula com desleixo e falta de conhecimento técnico a coisa fica ainda pior, em alguns casos o motociclista irresponsável  prefere deixar de lado sua segurança e investir em acessórios inúteis que simplesmente acabam saindo de moda ou durando muito pouco tempo devido a sua baixa qualidade. Essa combinação de ignorância e falta de recursos transforma a moto em verdadeira arma que pode ferir quem a está usando ou terceiros que  não tem como se defender do perigo.
Não são apenas motos velhas ou roubadas que estão nestas condições, são também motos novas com financiamentos vencidos e que são objeto de ações de retomada pelos bancos ou motos com altos valores de impostos e multas que ultrapassam em várias vezes seu valor de revenda.
Esses veículos quando usados por condutores sem compromisso com a segurança acabam criando problemas para quem procura o uso responsável e seguro das motocicletas. Quantas vezes vemos motos passando em radares ou sinaleiros sem respeitar o limite pois o usuário sabe que  a multa jamais terá que ser paga, isso já é meio passo para um acidente.
E o pior de tudo é que essa postura ilegal e perigosa  não reprimida pela autoridade de trânsito fortalece na mentalidade do jovem a ideia de que não existem limites ou leis para os veículos de duas rodas.
Mais fiscalização e mais rigor nas punições, acabariam recolhendo para o pátio dos órgãos de trânsito muitas motos que são o instrumento de trabalho de seus proprietários mas com certeza também evitariam muitos acidentes com eles mesmos ou com terceiros.
Ficamos divididos entre a ilegalidade resultante da  condição econômica  e a ilegalidade voluntária resultante do desleixo e da falta de compromisso com a sua segurança própria e de terceiros.
Esperamos que o tempo e a evolução da nossa sociedade possam diminuir este problema recorrente nas nossas cidades.



(Artigo publicado por - 125ecia@blogspot.com.br)

Postar um comentário